web analytics

O grupo Pestana começa em Setembro a comercialização do eco-resort em Tróia

Colocado por em 29 Ago, 2010 | Deixe um comentário


O grupo hoteleiro vai começar a vender em Setembro as primeiras casas e terrenos do futuro eco-resort na península. Já existe lista de espera.

O grupo Pestana vai arrancar em Setembro com as primeiras reservas de terrenos e moradias do seu eco-resort em Tróia. Com a construção já em fase de arranque, este é o primeiro passo para erguer um projecto de 100 hectares que tem mais de dez anos de história de aprovações e licenciamentos.

Nesta primeira fase de comercialização, o grupo liderado por Dionísio Pestana vai avançar com reservas de apenas 13 dos 82 lotes de terreno para construção de moradias, previstos no projecto de 100 milhões de euros. O ‘stand’ de promoção, localizado em Tróia a partir de Setembro, irá também ter disponível a comercialização de 35 moradias geminadas (ou ‘townhouses’).

Em declarações ao Diário Económico, José Roquette, administrador do grupo Pestana, avançou que “a promoção estará, para já, centrada no ‘stand’ no local”, sendo que “as reservas serão seleccionadas e convertidas em contratos-promessa até ao final do ano”.

Mesmo antes da abertura oficial das vendas de terrenos e moradias, a cadeia hoteleira portuguesa admite que já tem uma “lista de espera de interessados que excedeu as expectativas”. No entanto, José Roquette disse que o processo de venda será “muito selectivo e gradual de forma a preservar a qualidade e exclusividade do projecto”.

Apesar do maior grupo turístico português contar com a ajuda de um promotor imobiliário – que será seleccionado até ao final deste mês -, a cadeia hoteleira quer privilegiar os seus clientes. “Daremos prioridade aos interessados que já se inscreveram na lista de espera e ao universo dos clientes frequentes dos hotéis Pestana e Pousadas de Portugal”, sublinhou o administrador.

Preços variam entre 350 mil e 880 mil euros
Os valores de comercialização é que vão ditar o ritmo de vendas. As ‘townhouses’, todas de tipologia T2, custarão 350 mil euros. Já os lotes de terreno (com 200 a 300 metros quadrados) têm preços entre 400 mil e 880 mil euros.

Uma realidade de preços mais modestos do que os praticados pela Sonae Turismo aquando da comercialização dos primeiros lotes de terreno, em 2007, em que os mais caros (1,5 milhões de euros) esgotaram no primeiro dia de comercialização e os mais baratos custavam 600 mil euros.

Depois de comprar o terreno, a construção das moradias ficará a cargo dos proprietários, mas com arquitecturas controladas pelo grupo Pestana, que dará “um leque variado de propostas previamente avalizadas em harmonia e respeito com a natureza do projecto”, explicou José Roquette.

O grupo prevê que a primeira fase do projecto, que inicia agora a construção, demore um a três anos a estar concluída. Dentro de dois a três anos, ficam concluídos os 43 apartamentos, mais lotes de terreno e um aparthotel de 150 quartos, que será integrado na marca Pestana Residence, desenvolvida para o imobiliário turístico e que dá retorno anual ao investidor. Neste caso, José Roquette admite que a percentagem e as condições do retorno estão “ainda por definir”.

Identificados estão já os mercados onde este produto fará mais sucesso: “mercado de Lisboa e segmento de famílias, uma vez que este eco-resort oferece uma infra-estrutura completa e diversificada de serviços e lazer, com excelentes acessibilidades e garantia de serviço nos 12 meses do ano”, esclareceu o administrador responsável pelo projecto.

O mercado espanhol, embora sofra com a crise económica, não é colocado de parte pelo grupo Pestana como potencial comprador de uma moradia ou um terreno em Tróia. Se, nesta fase, a recuperação da economia espanhola ainda não for suficiente para investimentos, talvez na segunda – que avançará dentro de dois a três anos – os espanhóis possam investir no Pestana Tróia.

In, http://economico.sapo.pt/

Related Posts with Thumbnails